Poesía española

Poemas en español


Dikt El ilusionista

Solamente la carretera vacía nos interpela: -¿No hay nada por detrás de lo que ves? ¿Con qué ilustras tu ausencia de sí? ¿Cuál es la forma de tu abandono, si no comprendes lo avieso del mundo? Peces que también son agua y noches silenciosas de la pesca cómo describen sus vísceras… ¿Cuántas almas perdidas están presentes en tu vida protegida por lo visible? Alguien rodeado por los santos no es un bendito, sino más bien un ciego. Sin la ferocidad de la duda no encontramos paz en aquello que somos. ¿A qué especie de infierno condenamos a los enemigos si no creemos ni en esto? No hay una carretera vacía. Lo que vemos todavía no despertó de su ausencia.

Traducidos al español por Benjamín Valdivia

O ILUSIONISTA

Apenas a estrada vazia nos interpela: – Não há nada por trás do que vês? Com que ilustras a tua ausência de si? Qual a forma de teu abandono, se não compreendes o avesso do mundo? Peixes que também são água e noites silenciosas da pesca como descrevem suas vísceras… Quantas almas perdidas estão presentes em tua vida protegida pelo visível? Alguém cercado pelos santos não é um abençoado, mas antes um cego. Sem a ferocidade da dúvida não encontramos paz naquilo que somos. A que espécie de inferno condenamos os inimigos se não acreditamos nisto? Não há uma estrada vazia. O que vemos ainda não despertou de sua ausência.


Dikt El ilusionista - Floriano Martins